Ex-atletas doam fotos históricas do futebol de Amarante à Casa de Cultura Odilon Nunes

Somos Notícias

 Somos Notícias

Ex-atletas e desportistas de Amarante fizeram uma doação à Casa de Cultura Odilon Nunes de cinco fotos dos times Amarantino Futebol Clube, Bangu e Botafogo dos anos 1937, 1966 e 1971, respectivamente.

A ação inicia o acervo fotográfico do futebol de Amarante, como também do esporte em geral. Junto às fotos, foram entregues também dois troféus conquistados pelos times Bangu e Botafogo.  “Estamos cedendo esse espaço como forma de valorizar o nosso esporte, de modo especial o nosso futebol. Anuncio aqui que estamos cedendo uma sala que poderemos chamar de Museu do Futebol de Amarante”, disse sob aplausos o diretor da Casa, Derin.

Em meio aos desportistas estavam ex-atletas como Antonio Ribeiro (Tota), Orlando Ribeiro, Luís Alberto e o professor Joaquim José da Silva. O ato solene contou com a presença de renomes das décadas de ouro do futebol amarantino, e ainda de profissionais que fazem a nova geração do futebol, a exemplo de Péricles Plácido.

“Estou muito emocionado com esse momento de valorização do nosso futebol. Sem dúvida, é uma homenagem merecida a todos que atuaram de forma brilhante na construção dessa história. Agradeço imensamente ao diretor Derin por atender nosso pedido. Sem dúvida é um momento único na história do nosso futebol”, afirmou Tota.


Orlando Ribeiro se emocionou com a cessão do espaço ao futebol de Amarante na Casa de Cultura Odilon Nunes. “Hoje é um momento para ficar na nossa memória pela sua importância. A ação dessa equipe é muito importante, porque tem atuado de modo essencial para a grandeza do nosso futebol, que hoje passa a ter um espaço exclusivo no museu.”

Péricles Plácido falou ao público presente e agradeceu pelo espaço que o esporte está obtendo na Casa de Cultura. Ele falou também da homenagem póstuma à sua mãe, Socorro Costa, realizada na ocasião do VII Encontro Futebolístico dos times Fim de Vida x Pé na Cova, na tarde desse sábado(24).

“Esse é um trabalho muito importante porque exalta nossa história e incentiva nossos jovens ao esporte. Ainda ontem tivemos uma excelente confraternização do Fim de Vida x Pé na Cova, ocasião em que fiquei muito grato pela homenagem à minha mãe Socorro Costa. Atitudes como esta da equipe dos profissionais do futebol de Amarante e do museu valorizam nossas raízes e ainda colaboram na formação de novos atletas”, disse ele.


O professor Joaquim José da Silva foi homenageado em 1967, quando foi entregue ao Bangu o troféu que levou o seu nome. Presente no ato solene deste domingo, ele, que reside em São Luís do Maranhão, falou com saudades sobre suas origens.

“Eu gostaria de vir mais vezes a Amarante. Tive minha história de infância e adolescência constituída aqui. Esta iniciativa de hoje mostra a valorização que está sendo dada ao futebol de Amarante e o reconhecimento aos atletas daqui. Quero parabenizar a todos por este ato solene, e dizer que fico feliz com tudo o que vi em nossa cidade”, afirmou Joaquim.

Ao final, o público foi à sala que será destinada ao acervo do futebol de Amarante.

Somos Notícias

Mais de Esporte